Será que a massagem “esportiva / desportiva / muscular” auxilia na recuperação da musculatura?

Essa pergunta é o que 7 pesquisadores quiseram responder com este artigo científico. Que por meio da biópsia feita logo após a aplicação da massagem esportiva (mais apropriada para os músculos) verificou o que realmente acontece nas células. Leia aqui para saber mais detalhes sobre este artigo, e no final você poderá baixar o artigo original na íntegra e também este post que eu escrevi.

 

Massage Therapy Attenuates Inflammatory Signaling After Exercise-Induced Muscle Damage

 

Massagem terapêutica atenua a sinalização inflamatória após lesão muscular induzida pelo exercício

 

Artigo científico de autores em uma Universidade Canadense, publicado em 2012 na revista americana Science Translational Medicine , por 1 químico, médicos, 1 fisioterapeuta, patologistas e 1 bioestatístico.

massagem muscular desportiva esportiva na perna depois do esporte

A massagem terapêutica é comumente usada durante a reabilitação física do músculo esquelético para melhorar a dor e promover a recuperação de lesões. Embora haja evidências de que a massagem possa aliviar a dor no músculo lesionado, o jeito com que a massagem afeta a função celular permanece desconhecida.

Para avaliar os efeitos da massagem, administrou-se a massagem terapia ou nenhum tratamento (para avaliarem os resultados) no quadríceps (coxa, no músculo vasto lateral) de 11 jovens participantes do sexo masculino após lesão muscular induzida pelo exercício.

As biópsias musculares foram adquiridas no quadríceps (vasto lateral) na linha de base, imediatamente após 10 minutos de tratamento com a massagem e após um período de recuperação de 2,5 horas.

 

Conteúdo bem técnico agora:

Descobriram que a massagem ativa a mecanotransdução, vias de sinalização aderência focal quinase (FAK) e quinase 1/2 regulada por sinal extracelular (ERK1 / 2), potencializada sinalização de biogênese mitocondrial [co-ativador do receptor g ativado por proliferador de peroxissomo nuclear 1a (PGC-1a)], e mitigou o aumento do acúmulo nuclear de fator nuclear kB (NFkB) (p65) causado pelo músculo induzido pelo exercício trauma. Além disso, apesar de não ter efeito sobre os metabólitos musculares (glicogênio, lactato), a massagem atenuou a produção do fator de necrose tumoral das citocinas inflamatórias –a (TNF-a) e interleucina-6 (IL-6) e reduziu o choque térmico fosforilação da proteína 27 (HSP27), mitigando o estresse celular resultante de lesão por miofibra.

 

Leia também sobre Será que postura cervical tem a ver com dor de cabeça?

 

Métodos

Eles foram solicitados a aderir aos seguintes pedidos antes de cada visita: abster-se de esforço físico moderado a intenso por 72 horas, abster-se de consumir álcool por 48 horas, comer sua dieta habitual por 48 horas e abster-se de cafeína por 12 horas. Os participantes foram dada uma dieta definida em 355 kcal (Garantir, Ross Laboratories), consumido 2 horas antes de cada estudo.

Na primeira visita, uma biópsia muscular de base foi adquirida do vasto lateral de uma perna designada aleatoriamente para servir como amostra de controle em repouso. Após a biópsia, cada indivíduo foi submetido a teste para pico capacidade aeróbica (VO2pico) em um bibicleta de ciclo vertical, conforme descrito.

exaustao muscular por exercicio massagem esportiva

Exercícios exaustivos

Na segunda visita, todos os indivíduos retornaram ao laboratório e realizaram exercícios aeróbicos exaustivos, conforme descrito, antes de receber tratamento de massagem randomizado. O exercício consistiu em exercício de bicicleta na vertical em um ciclo eletricamente travado (Lode Excalibur, Lode) pedalando a uma carga de trabalho calculada obter 60% de seu VO2pico predeterminado por 30 min em um ciclo cadência entre 70 e 90 rpm.

E, após 30 min, a intensidade foi aumentada para uma carga de trabalho equivalente a 65% do VO2pico por 5 min e depois caiu de volta a 60% por 5 min, aumentou para 70% do VO2pico por 5 min, caiu a 60% por 5 minutos, etc., até um máximo de 85% do VO2pico. Se 85% do VO2pico foi atingido, os sujeitos continuaram com intervalos de 85% do VO2pico por 2 minutos, seguido de 60% do VO2pico por 2 minutos, etc., até a exaustão do sujeito.

 

massagem esportiva massagem desportiva recuperação muscular

Ai, a conclusão do teste foi verificada quando os sujeitos não conseguiram manter uma cadência de ciclismo acima de 70 rpm. Imediatamente após o exercício, os sujeitos foram autorizados a se recuperarem por 10 minutos enquanto o óleo de massagem foi aplicado levemente ambos os quadríceps. Posteriormente, uma única perna foi randomizada para receber tratamento de massagem por 10 min de um massoterapeuta registrado.

 

Como foi o tratamento com a massagem?

artigos para massagem esportiva massagem desportiva muscular

O tratamento de massagem foi composto por três tipos de tecidos moles manipulações enquanto o sujeito permaneceu na posição supina. Tratamento foi focado nos músculos extensores do joelho, abrangendo uma variedade de pressões e padrões de movimento normalmente fornecidos durante uma terapia sessão. O tratamento consistiu em a) 2 min de efleurage, uma luz técnica de acariciamento administrada com pressão moderada; b) 3 min de petrissage, um movimento firme envolvendo compressão e pressão subseqüente liberação do músculo; c) 3 min de alongamento muscular lento, consistindo de golpes longitudinais repetidos de ~ 40 s; e (iv) um adicional 2 min de effleurage. Todos os membros da equipe de estudo estavam cegos quanto a qual perna foi massageada, com exceção do massoterapeuta.

Biópsia

Então, após a massagem, os sujeitos descansaram por 10 minutos e uma biópsia muscular foi obtido a partir do vasto lateral de cada perna (0 horas). Duas horas e meia depois (3 horas após a interrupção da sessão de exercícios), uma biópsia foi novamente obtido de cada perna (2,5 horas).

 

Todas as biópsias foram adquiridas de incisões separadas, com cerca de 2 a 3 cm de distância. Uma pequena porção músculo de cada biópsia foi fixado em glutaraldeído a 2% refrigerado (4 ° C) suplementado com cacodilato de sódio a 0,1% para posterior histologia. As demais amostras musculares foram rapidamente repartidas, congeladas rapidamente em nitrogênio líquido e armazenadas a -86 ° C até análise.

Resultados

Em suma, quando administrada ao músculo esquelético que foi agudamente danificado pelo exercício, a massagem esportiva terapêutica aparece ser clinicamente benéfica, reduzindo a inflamação e promovendo a biogênese mitocondrial. Essa biogênese mitocondrial é o aumento na quantidade de mitocôndrias, que são responsáveis pela respiração celular, dando assim energia para as células, e para praticar atividade física, a energia celular é imprescindível. O envelhecimento, sedentarismo e diabetes do tipo 2 afetam essa biogênese, consequentemente a pessoa tem menos energia, e até dificuldade no desenvolvimento da massa muscular.

Concluindo, a massagem esportiva reduz sinais de inflamação e as células musculares são mais capazes de produzirem novas mitocôndrias, promovendo uma rápida reparação de lesão e rápida recuperação muscular.

 

Baixe este artigo do blog em formato de Ebook para você ter, clique aqui.

 

Links para este artigo:

Link para a revista científica que publicou o artigo: https://stm.sciencemag.org/content/4/119/119ra13.short

Nota no Pedro: https://search.pedro.org.au/search-results/record-detail/32702

Pubmed: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22301554/

 

 

Baixe o artigo gratuitamente: https://www.researchgate.net/publication/221802374_Massage_Therapy_Attenuates_Inflammatory_Signaling_After_Exercise-Induced_Muscle_Damage

 

Citação do artigo:

Crane JD, Ogborn DI, Cupido C, et al. Massage therapy attenuates inflammatory signaling after exercise-induced muscle damage. Sci Transl Med. 2012;4(119):119ra13. doi:10.1126/scitranslmed.3002882


1 comentário

Fascite Plantar e Ansiedade - Blog | Fisio Suzi Evangelista · 3 de Novembro, 2020 às 17:06

[…] Leia também Massagem “esportiva” auxilia na recuperação muscular? Veja o Artigo Científico! […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *